A GESTÃO DE FRANCISCO THIESEN – PARTE 2

Como presidente da FEB, Francisco Thiesen buscou mais diálogo com o movimento espírita, mas não abriu mão de defender e divulgar a obra OS QUATRO EVANGELHOS de J.B. Roustaing, através do REFORMADOR e da editora febiana.

No REFORMADOR, Iaponan Albuquerque, José Dias Inocêncio e Inaldo Lacerda Lima escreveram vários artigos sobre Roustaing no REFORMADOR.

Pela editora, a FEB continuou publicando as antigas e tradicionais obras de Leopoldo Cirne, Bittencout Sampaio, Luiz Sayão e outros roustainguistas de antanho e lançou quatro novos livros que citavam Roustaing de maneira benevolente ou elogiosa, causando gastura nos espíritas não roustainguistas.

São eles:

ALLAN KARDEC – PESQUISA BIOBLIOGRAFIA E ENSAIOS DE INTERPRETAÇÃO de Francisco Thiesen e Zêus Wantui, 1976. Apesar de ser uma biografia de Kardec, a obra faz referência a Roustaing.

UNIVERSO E VIDA do espírito Áureo em psicografia de Hernani Trindade Sant’Anna, 1980. É um livro verborrágico e pretensamente erudito, onde o autor espiritual também faz a defesa de Roustaing. Hermínio Miranda detonou a obra em crítica publicada no JORNAL ESPÍRITA de outubro de 1980. Depois disso, Hermínio afastou-se da FEB.

ESPIRITISMO BÁSICO de Pedro Franco Barbosa, 1986. A primeira edição do livro, publicada pelo Centro Brasileiro de Espiritismo, em 1976, não é condescendente com Roustaing. No entanto, Franco foi bastante complacente com o espírita (?) bordelense na edição publicada pela FEB. Por causa disso, Franco foi acusado de amenizar o texto sobre Roustaing para ter o livro publicado pela FEB.

TESTEMUNHOS DE CHICO XAVIER, Suely Caldas Schubert, 1986. Suely, que, até então, não era catalogada como roustainguista, procura provar que Chico Xavier era adepto de Roustaing, através de cartas escritas pelo médium mineiro. O fato de Chico aceitar a REVELAÇÃO DA REVELAÇÃO não valida a obra do polêmico espiritista (?) de Bordéus.

Em 1983, a FEB publicou a sexta edição de OS QUATRO EVANGELHOS de J.B. Roustaing com uma nova e colorida capa.

Francisco Thiesen comandou a FEB até 1990, mas eu só acompanhei sua gestão até o final de 1986.

Um comentário em “A GESTÃO DE FRANCISCO THIESEN – PARTE 2

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s